Filmes de Zumbis: Extermínio (2002)

Danny Boyle  se utiliza da câmera digital para aproximar Extermínio de uma experiência mais realista possível. Ele também demonstra qualidade ao modificar a atmosfera do filme de acordo com as situações: o começo angustiante em que Jim se descobre só em uma Londres destruída, cenas que exploram o silêncio e o resto de beleza ainda intocada e a vingança sangrenta que se apossa do mesmo Jim nas cenas finais.

Em vez de se concentrar nos zumbis, o roteiro investe no sentimento dos sobreviventes em relação a esta angustiante nova realidade. Em alguns momentos a abordagem de Danny Boyle se aproxima da poesia, como quando Jim aproveita o vento em uma viagem de carro ou quando eles se emocionam ao contemplar uma família de cavalos trotando sem maiores preocupações. Mas não se enganem. Fica bem claro que os sobreviventes não estão seguros em momento algum. Qualquer atitude precipitada pode se transformar em mais uma morte violenta.

Extermínio ainda faz críticas contundentes à natureza humana, que às vezes se mostra mais irracional que zumbis sedentos de sangue. É um dos filmes mais ambiciosos do gênero e não merece ser esquecido.

NOTA: 9 /10

The Walking Dead – 1×01: Days Gone Bye


Nota: 10

Foi com grande expectativa que apertei o play e comecei a assistir ao primeiro episódio desse tão aguardado seriado. Sabem, sou um grande fã de zumbis. Já vi e revi vários filmes com essa temática e sempre me divirto um monte. Além dos filmes, já li alguns livros e alguns contos.

Durante 70 minutos fui completamente hipnotizado pelo o que via tela. A cada sequência minha frequência cardíaca aumentava e eu agradeço por isso.

The Walking Dead é baseado na excelente HQ de mesmo nome desenvolvida por Robert Kirkman.

Frank Darabont é o criador do seriado. Ele assina a direção deste primeiro episódio e o roteiro dos 6 episódios da primeira temporada. A ótima carreira do diretor fala por ela mesma. Um Sonho de Liberdade, A Espera de um Milagre, Cine Majestic e O Nevoeiro são filmes com um algo a mais e que, com a exceção deste último, desenvolvem seus personagens da maneira mais completa possível.

Já que os personagens serão importantes para o seriado uma escolha precisa dos atores era necessária. Andrew Lincoln e Lennie James (aquele de Jericho, lembram?) dividem a maior parte do tempo na tela e nos oferecem atuações impressionantes. Além deles, Jeffrey DeMunn, figurinha carimbada dos filmes de Darabont e Sarah Wayne Callies (de Prison Break) estão presentes.

Tudo começa com uma perseguição, um tiro nas costas de Rick Grimes e seu estado de coma no hospital. Foi utilizada uma flor para marcar a passagem do tempo, um toque de genialidade. Quando ele acorda nada mais é como antes. O mundo de Rick mudou. O hospital está aparentemente vazio, ele pode ver cadáveres espalhados pelas ruas da cidade e criaturas que deveriam estar mortas, mas caminham em busca de carne humana.

Esse começo é igual a Extermínio, certo? Essa sequência existe na HQ e foi mantida no seriado. Até hoje nínguem sabe se é uma cópia ou uma coincidência, o fato é que ela funciona extremamente bem.

Rick Grimes, completamente perdido e desesperado com a situação, encontra Morgan e o filho, que aos poucos vão fazendo ele entender como funciona o mundo atualmente. Rick vai até a sua casa e não encontra o filho e a esposa, mas acredita que eles estão em Atlanta, cidade que parece funcionar como um refúgio dos que ainda estão vivos.

Você que ama zumbis, prepara-se. The Walking Dead eleva esse gênero para um outro patamar. Claro, se você quer a violência gráfica tão característica dos filmes você vai ter, mas o principal do seriado é o efeito psicólogico que tudo isso causa nos personagens. A intensidade da atuação de Andrew Lincoln é um retrato do que falo. O mundo pós-apocalíptico tomado por zumbis não é mais importante do que os personagens e seus próprios dramas.

Não posso deixar de mencionar a maneira fantástica com que Darabont conduziu esse episódio, sempre mantendo um alto teor suspense e um ar de desespero ao longo de todas as sequências.

Sempre quis ver algo relacionado a zumbis que fosse profundo e com conteúdo e é isso que The Walking Dead oferece. Há uma cena aqui que é uma das melhores que vi esse ano. Trata-se de Rick Grimes conversando com uma zumbi e aliviando o sofrimento dela. Uma das tantas cenas marcantes do episódio piloto.

Geralmente os primeiros episódios dos seriados não são tão bons, pois em pouco tempo ele deve apresentar os personagens, desenvolver história e tudo o mais.

Os pilotos de Lost, Friday Night Lights e The Sopranos são excelentes do primeiro ao último segundo e é nesse time que se encontra o piloto de The Walking Dead.

Minhas expectativas para a primeira temporada são enormes e acredito que vou ser correspondido.



/bruno knott