Crítica: Homem de Ferro 3 (2013)

iron-man-3

Tony Stark não está nos melhores dias. Ele sofre de insônia, ansiedade e estresse. O relacionamento dele com Pepper Potts passa por um período turbulento, já que  Tony fica horas trabalhando em seus famosos trajes ao invés de dar atenção à moça. Para piorar, o terrorista Mandarim ameaça os Estados Unidos e muitos podem sofrer as consequências.
Peper Potts recebe a visita de Aldrich Killian, um gênio da ciência que descobre uma maneira de alterar o DNA humano. Ele estava interessado em uma parceria com as indústrias Stark, mas isso lhe foi negado. A justificativa de Potts é que tal tecnologia poderia ser usada para fomentar as guerras e a destruição. Bem, adivinhem se não é exatamente isso o que ocorre! O interessante é descobrir que tipo de relação existe entre Killian e Mandarim. É uma das muitas surpresas que Homem de Ferro 3 nos reserva.
Assim como nos filmes anteriores, o que realmente faz essa terceira parte da franquia funcionar tão bem é a presença de Robert Downey Jr. Não há como negar que ele é Tony Stark. O timing cômico do ator nunca pareceu tão perfeito. Ele consegue injetar humor de maneira inspirada até nas situações mais tensas.
Ainda que o filme invista em um lado mais dramático e humano do herói, fica claro que a fórmula ação + humor é mantida. São várias as sequências grandiosas de ação, com muitas explosões, efeitos especiais absurdos e respeitáveis doses de criatividade. A minha preferida é a cena do avião, certamente um dos momentos mais cheios de adrenalina que o cinema nos ofereceu até agora em 2013.
Sobra espaço também para referências aos Vingadores e uma bem específica a Thor, algo que sempre agrada aos fãs.
Alguns podem ter se decepcionado com uma ou outra reviravolta e com o vilão da vez, mas o fato é que Homem de Ferro 3 entrega quase tudo o que se espera de um bom exemplar do gênero. A diversão está obviamente garantida!
7/10

Assista ao trailer

Sherlock Holmes

Título original: Sherlock Holmes
Ano: 2009
Diretor: Guy Ritchie

Este filme teve um resultado surpreendentemente positivo. Não imaginava que a mistura Sherlock Holmes + Guy Ritchie daria certo. E deu. Temos aqui ótimas cenas de ação que mostram que Guy Ritchie é um diretor criativo e com um senso estético bem apurado. Há um equilíbrio entre essas cenas mais frenéticas e o desenvolvimento da história. Infelizmente, a trama é um dos pontos negativos do filme. Ela me pareceu exageradamente confusa em alguns momentos e certamente foi um dos motivos do tempo de duração um pouco maior do que o necessário. De qualquer forma, isso fica suprimido pelo ritmo ágil, a atuação inspirada de Robert Downey Jr. e a trilha sonora empolgante de Hans Zimmer. Sherlock Holmes é  um filme pipoca que cumpre o que propõe com maestria.

Nota: 7

Trailer de Iron Man 2

Na próxima Sexta-Feira teremos a estreia de um dos filmes mais aguardados do ano: Homem de Ferro 2. Não é para menos, já que o primeiro Homem de Ferro chamou muito a atenção em 2008 pela sua qualidade, algo que surpreendeu muita gente.

Este segundo filme também conta com a dupla Jon Favreu na direção e Robert Downey Jr. no papel principal, escolhas imprescindíveis para pelo menos manter o nível.

Há novidades no elenco, como o renascido Mickey Rourke, a sempre bela Scarlet Johansson e o talentoso Sam Rockwell.

Julgando pelo trailer, pelo elenco e pela qualidade do primeiro filme, podemos esperar muita coisa boa aqui.

Empolgante, não?