O Equilibrista

Título original: Man on Wire
Ano: 2008
Diretor: James Marsh

Philippe Petit estava em um consultório odontológico, aguardando a sua vez de ser atendido, quando viu em uma revista algo esplêndido: o futuro World Trade Center. As torres gêmeas nem haviam sido construídas ainda, mas tiveram um grande efeito no rapaz. Philippe Petit iria conquistar as duas torres. Não importava quando, mas um dia ele iria de uma torre a outra em um cabo de aço! Dá para imaginar uma coisas dessas?

O filme recria toda a dificuldade que Petit e seus amigos tiveram para conseguir realizar essa façanha. Afinal, para Petit poder fazer a travessia, eles teriam que levar um equipamento pesadíssimo para ambas as torres e em segredo. O diretor James Marsh coloca suspense em quase todas as partes desse processo, mantendo um clima de tensão fabuloso. O próprio Petit conta a sua história e de uma maneira muito agradável. Ele é um excelente contador de histórias, ele fala e você presta atenção, você se sente hipnotizado pelas suas palavras e é claro, pelos seus atos. Antes de chegar ao clímax, vemos Petit fazendo o que sabe em outros lugares, como Notre Dame e na Austrália. Tudo com uma trilha sonora linda e uma fotografia magnífica.

Mas estamos ansiosos para as torres gêmeas! Como o filme é muito bem dirigido o tempo passa voando e rapidamente estamos com Petit no momento derradeiro. Quando ele tem que decidir se transfere o pé da ponta do edíficio para a corda… congelamos. Nossa. Que magnífico. Que inspirador! Ver essas imagens, juntamente com a trilha sonora, torna tudo muito poético, parece um sonho ver alguém andando naquelas alturas. Eu me senti motivado, me sentido tocado por essa história. Fico imaginando o que as pessoas que acompanharam in loco sentiram.

Por alguns instantes esquecemos que as torres não estão mais lá.

Nota: 9,5

– Por B. Knott