Preciosa – Uma História de Esperança

Título original: Precious: Based on the Novel Push by Saphire
Ano: 2009
Diretor: Lee Daniels

Vou fazer uma promessa: de agora em diante jamais irei julgar mal um filme antes de assisti-lo. Caramba, eu pensava que Preciosa seria aquele típico filme hollywoodiano que estamos cansados de assistir. Sabe aquela história água-com-açucar de uma pessoa desfavorecida que vence na vida? Achei que Preciosa fosse algo desse tipo. Me enganei.

A Preciosa do título é uma mulher COMPLETAMENTE desfavorecida. Talvez alguns não estejam preparados psicologicamente para entrar na vida dessa garota. Olha só: dezesseis anos, pobre, obesidade morbida, uma filha com Down e grávida de outra criança – ambas resultados de estupros do próprio pai -, analfabeta, humilhada na sala de aula e xingada e agredida constantemente pela mãe. É de abalar qualquer um.

Ainda bem que existem pessoas boas espalhadas pelo mundo e Preciosa recebe uma chance de mudar um pouco a sua vida. Ela é chamada para fazer parte de uma escola alternativa, na qual ela irá tentar aprender a ler e a escrever junto com outras garotas pobres. A atriz Gabourey Sidibe demonstra muito talento logo no seu primeiro papel. A cena em que ela lê o título de um livro a pedido da professora é emblemática. Eu senti a dificuldade dela. Tocante.

O legal do filme é que ele não tenta nos enganar com uma história de redenção simplista. Não vá esperando um final feliz. Espere o fundo do poço. Espere por um choque de realidade e fagulhas de esperança. Espere por uma direção visceral do Lee Daniels. O diretor fez um ótimo trabalho aqui. Ele consegue deixar toda a situação mais tenebrosa ainda.

Vocês gostam de comida? Quem não ficou com vontade de comer alguma coisa após ver filmes como Ratatouille ou Julie e Julia? Pois é. Em Preciosa, Lee Daniels transforma a comida num tipo de vilão grotesco e sujo, sem exageros.

Para finalizar, não dá para não mencionar a atuação Mo’Nique. Oscar obrigatório. Além da mulher ser uma versão feminina do Jules de Pulp Fiction – devido ao linguajar rico em palavras como “fuck” e “motherfucker” – ela tem um monólogo espetacular no final… ESPETACULAR. É de arrepiar mesmo. Não sei se você vai querer dar um tiro no meio da cabeça dela ou sentir pena. Até agora não sei o que pensar a respeito. Só essa cena já vale a indicação do filme para o Oscar.

Preciosa é um filme MUITO difícil, pesado e necessário.

Nota: 8

– B.K.