Review: Lost 1×14 – Special

lost-1-14-special
É um tanto doloroso ver o passado de Michael e Walt neste episódio. Michael e Susan pareciam formar um casal feliz se preparando para ter um filho, mas cerca de 2 anos após Walt nascer, Susan se muda para a Holanda. Não demora muito, ela passa a viver com o chefe e exige que Michael abra mão de ser pai.
Como se isso fosse pouco, Michael é atropelado de maneira violenta, levando cerca de 1 ano para se recuperar.
Eis que Brian aparece na casa de Michael com a notícia de que Susan morreu e informa que agora não quer mais ficar com Walt. Ele ainda diz que o garoto é diferente, que coisas estanhas costumam acontecer quando ele está por perto.
Michael precisa ganhar a confiança do filho que não via há muitos anos.
Na ilha, uma situação envolvendo mais um urso polar é uma ótima chance para que os dois se aproximem. Locke tem um importante papel aqui também, já que foi motivo de brigas entre Michael e Walt por ensinar o garoto a manejar facas.
É um episódio com uma boa carga emocional graças a essa complicada relação entre pai e filho. Temos aqui uma ótima atuação de Harold Perrineau, algo essencial para nos fazer mergulhar no flashback e esquecer um pouco dos eventos da ilha.
Special também se destaca por ser o momento em que é dado o início ao projeto da balsa. Será mesmo possível construir uma embarcação com os restos do avião e os recursos naturais da ilha?
E Lost não é Lost sem uma cena final de impacto, não é? Há uma reviravolta interessante no último momento: o reaparecimento de Claire. Mais mistérios pela frente.
8/10

Lost 1×12 – Whatever the Case May Be

lost-kate-1x12Whatever the Case May Be avança muito pouco na trama principal e possui um flashback pouco inspirado centrado em Kate. Antes da ilha a garota enganou um grupo de bandidos para ter acesso ao cofre de um banco. O objeto que ela tanto queria era um pequeno aviãozinho de brinquedo com significado sentimental.

Na ilha, ela e Sawyer descobrem um lago com uma cachoeira e decidem dar uma relaxada. Durante o mergulho, eles encontram uma maleta Halliburton que Kate primeiramente finge não lhe despertar interesse, mas Sawyer percebe que não é bem assim. Ele passa o episódio inteiro tentando abrir a maleta, proporcionando cenas engraçadas. Kate consegue a ajuda de Jack para abrir a maleta, mas não sem antes enganar o médico. Um tanto irritado por ter sido mais uma vez ludibriado por Kate, ele arranca da garota o motivo de tamanha importância do tal aviãozinho: “Pertencia ao homem que eu amava… Pertencia ao homem que eu matei!”. Em um episódio posterior essa história nos é explicada com detalhes.

Enquanto isso, Sayid pede ajuda de Shannon para traduzir os escritos em francês do mapa de Rousseau. Finalmente Shannon tem a oportunidade de se sentir útil. Dá para dizer também que aqui inicia-se o romance dos dois, que é provavelmente o romance menos convincente do seriado.

Whatever the Case May Be
continua sendo uma decepção e destoando em termos de qualidade e impacto do resto da primeira temporada.
7/10

Lost 1×10 – Raised by Another

claire-raised-by-another

Por mais que Raised by Another não seja um dos destaques da primeira temporada, não dá para negar que ele possui aspectos interessantes, começando pelo flashback de Claire. Nele vemos como a moça foi vítima do namorado covarde que a abandonou assim que sentiu a responsabilidade de ser pai chegando. Desesperada, Claire se consulta com o médium Richard Malkin tendo em mente a ideia de colocar a criança para adoção. Richard faz um alerta de que ela, e apenas ela, deve cuidar da criança. Por muito tempo isso ficou na minha cabeça: por que diabos ela não poderia dar o filho? O médium diz conhecer um casal confiável em LA para receber a criança, mas que Claire precisa pegar especificamente o voo 815 da Oceanic... bem, o resto a gente já sabe, não é?
Na ilha, Claire está convicta de ter sido vítima de um ataque, mas Jack e os outros acreditam que ela está vendo coisas devido ao stress. Charlie se coloca totalmente a disposição da garota. Percebemos que o rapaz está realmente interessado nela, ao contrário de Claire, que se mostra pouco comovida com isso. Ao menos parece que uma amizade está se formando.
Hurley tem mais uma bela ideia ao iniciar um censo. O trabalho dele é facilitado quando consegue colocar as mãos na lista dos passageiros, só que isso o faz perceber que existe uma pessoa a mais na ilha: Ethan.
Já havíamos conhecido Rousseau, uma personagem que era menos perigosa do que parecia, agora Ethan é outra história. Na última cena ele encara Claire e Charlie de uma maneira nada amistosa. Foi um ótimo e sinistro  cliffhanger para o episódio seguinte.
8/10

Lost 1×09 – Solitary

lost-1x09-solitary
Depois de se sentir mal por torturar Sawyer, Sayid abraça a solidão e deixa o grupo para caminhar pela ilha. Após uma boa distância percorrida, ele encontra um cabo no meio da areia e resolve segui-lo. Quando o árabe encontra Rousseau é a primeira vez que ficamos sabendo da existência de outras pessoas na ilha. O encontro entre os dois é pouco amistoso. Rousseau, desconfiada e arredia, não hesita em torturá-lo para obter informações a respeito do paradeiro de um(a) tal Alex. Sayid experimenta um rápido castigo e na mesma moeda. Mesmo com essa hostilidade inicial, os dois iniciam uma aproximação, principalmente após Sayid consertar a caixa de música de Rousseau. O fato é que agora tomamos conhecimento de acontecimentos estranhos ocorridos na ilha, envolvendo um pessoal chamado de “os outros”. A tensão fica enorme no momento em que escutamos os tais sussurros pela floresta. Falando em tensão, o grande Hurley tem uma excelente ideia para diminuir o stress do pessoal: um jogo de golfe. Sim, nada como dar umas tacadas e fazer apostas para descontrair. Até o renegado Sawyer entra na brincadeira, com uma ajudinha de Kate. Há um momento bem engraçado aqui com o hipocondríaco Sullivan. O flashback nos mostra quem era Nadia, a mulher da foto que Sayid carrega. Ele não tem coragem de torturá-la, antes a salva e passa boa parte dos seus dias pensando nela e na mensagem atrás da foto: nos encontraremos em outra vida, se não nessa….
8.5/10

Review: Lost 1×08 – Confidence Man

kate-sawyer-1x08

 

NA ILHA
Não bastasse Sawyer não demonstrar preocupação com a asma de Shannon ao não lhe entregar a sua bombinha, recai sobre ele a suspeita de ter agredido Sayid no final do episódio anterior. Jack e Sayid decidem então partir para a ignorância e torturá-lo. Em alguns momentos, Sawyer parece querer apanhar, como se estivessem se martirizando por alguma coisa. Durante a tortura ele diz que só vai contar onde está a bombinha para Kate e aí temos o primeiro beijo dos dois, que é seguido por um baita soco que Kate desfere na cara de Sawyer, pois este diz que jamais viu a bombinha. Em um momento intimista, Kate descobre o passado doloroso de Sawyer, que não admite que alguém sinta pena dele por isso. É notório que os dois se aproximam bastante neste episódio.

FLASHBACK
Sawyer se revela um golpista de primeira, usando o seu charme para conquistar mulheres casadas e obter a grana de seus maridos. No momento de finalizar um golpe que provavelmente iria destruir toda uma família, ele vê um garoto e se arrepende, não seguindo em frente com o plano. O fato é que Sawyer viu o seu passado quando olhou para o garoto e decidiu desistir.

CONFIDENCE MAN
Trata-se de alguém que pratica golpes, exatamente o que Sawyer fazia antes da ilha.

NOTA
8

Review: Lost 1×07 – The Moth

charlie-flashback-the-moth

NA ILHA
Charlie sofre de abstinência após ter entregado a droga a Locke. Ele sua frio, está sempre ansioso e demonstra frustração por não ter sua utilidade reconhecida pelos outros. Locke o ajuda nessa tentativa de deixar as drogas e para isso lhe conta sobre os esforços da mariposa ao deixar o casulo. Em um primeiro momento Charlie parece não entender a metáfora, mas depois sente na pele o que ele quis dizer. Após um desmoronamento da caverna, Jack fica preso dentro dela e sem muitas esperanças de sair. A única pessoa capacitada para resgatá-lo é Charlie. Eis uma ótima oportunidade para ele mostrar o seu valor.
Enquanto isso, Sayid bota em prática o plano para aumentar o sinal do transmissor e quem sabe mandar um SOS para alguém. Kate e Boone estão encarregados de ajudá-lo.
Sawyer aparece com o intuito de avisar Kate sobre Jack, mas a maneira agressiva e desdenhosa que Kate o tratou fez Sawyer mudar de ideia e investir no seu lado bad boy.
O fato é que Charlie consegue ajudar o médico e os dois tem uma cena bacana no interior da caverna. Sem dúvida um momento muito emocionante da primeira temporada. E ao que tudo indica, Charlie consegue vencer o seu vício por conta própria, deixando Locke orgulhoso.
Para adicionar tensão, Sayid toma uma bordoada na cabeça no exato momento em que consegue captar um sinal. Quem será que está por trás disso?
Além desse final misterioso, o episódio mostra que Lost não tem receio de tratar de um assunto tão sério como o vício das drogas. Algo que é feito de uma maneira verossímil e emotiva na medida certa. O personagem de Charlie cresce muito no conceito do público (e dos outros Losties) neste episódio.

FLASHBACK
Vemos a ascensão e declínio da banda Drive Shaft em que Charlie é o baixista e o seu irmão Liam o vocalista. O sucesso da banda é grandioso e repentino e isso afeta o relacionamento dos irmãos. Liam parece não estar nem aí para a música em si, pensando em aproveitar as mulheres e as drogas, irritando e decepcionando Charlie. Após uma briga em que Liam fala que ninguém nem sabe o nome do baixista, Charlie acaba caindo nas drogas. A banda desaparece do cenário e cada membro segue para um lado. Quando a chance de um possível retorno aparece. Charlie tenta convencer o irmão a voltar, mas ele nega. Enquanto Liam agora tem uma família e uma vida boa, Charlie está cada vez mais afundado no vício. Triste ironia do destino.

THE MOTH
A referência é óbvia, mas nem por isso deixa de ser inspirada. Tal qual a mariposa, Charlie enfrenta o desmoronamento de uma caverna para ajudar Jack e também para ajudar a si mesmo. Grande momento do seriado!

NOTA
8.5

Lost: funny moments – parte 1

Uma das maneiras mais bacanas de relembrar de Lost é através de seus momentos de humor, que não são poucos. O responsável pelo riso geral no episódio piloto (e em boa parte da série) é Hurley. Confiram:

lost-hurley-sayid-pilot

Hurley: How do you know how to do all that?”
Sayid: I was a military communications officer.”
Hurley: Oh yeah? Ever see battle?
Sayid: I fought in the Gulf war.
Hurley: No way! I got a buddy who fought over there. He was in the 104th Airbourne. What are you, Air Force? Army?
Sayid: The Republican Guard.”

jin-hurley-pilot

Jin: Que tal uma iguaria?
Hurley: Comer isso? Não, nem pensar cara!

hurley-jack-desmaio

Hurley: I’m not so good around blood, man.

Lost 1×06 – House of the Rising Sun

HOUSE OF THE RISING SUN
Trata-se de uma música folk americana cuja letra reflete a situação de Sun.

NA ILHA
O grande conflito é a escolha que os Losties devem fazer entre continuar vivendo na praia pensando em algum resgate ou se mudar para a teórica proteção das cavernas. Alguns ainda acreditam que alguém virá buscas-los, como Sayid, outros já abandonaram essa ideia. Na caverna temos a aparição dos esqueletos de um casal que ficou conhecido como Adão e Eva, além das pedras brancas e pretas encontradas por lá. A parte mais tensa do episódio é o conflito entre Jin e Michael. Até hoje aquele tackle que Jin desfere em Michael impressiona, algo digno de grandes jogadores de futebol americano. Não demora muito para as coisas se resolverem, mas no processo ficamos sabendo que Sun fala inglês. Não é dos melhores episódios da primeira temporada, mas ele tem sim alguns ótimos momentos.

FLASHBACK
Neste episódios ficamos conhecendo um pouco mais a fundo a relação de Jin e Sun. A única maneira de Jin convencer o pai de Sun a aceitar o casamento foi trabalhando para ele em algo aparentemente ilegal, afinal não é normal alguém chegar em casa com sangue nas mãos e não explicar direito o que aconteceu. Essa situação vai deteriorando o casamento dos dois, tanto que Sun está decidida a abandoná-lo. A cena que mostra Sun pensando se abandona Jin tem um sentimentalismo bem forte. Nós sabemos que se ela não pegasse o avião não cairia na ilha, mas um ato de romantismo de Jin a faz permanecer ao lado dele. A relação amorosa dos dois é cheia de altos e baixos, mas é uma das mais verdadeiras e interessantes que acompanhamos em todo o seriado.

NOTA
7 

Lost 1×05 – White Rabbit

WHITE RABBIT
Referência ao livro Alice no País das Maravilhas. No episódio quem faz o papel do coelho branco é o pai de Jack, que o leva até a região próxima à caverna com uma inesgotável fonte de água. Só um detalhe: o pai de Jack estava morto antes do avião cair na ilha. Mistérios, mistérios…

NA ILHA
“Every man for himself is not gonna work”. “If we don’t live together, we’ll die alone”.
Este é um dos episódios mais importantes da temporada, afinal mostra a transformação sofrida por Jack em termos de assumir responsabilidades. No início ele é avesso a ideia de ser o líder do grupo, mas quase todos já o respeitam e o encaram como tal. Duas situações o ajudam a aceitar a condição líder: uma conversa com Locke e as lembranças do pai falando que Jack não tem o que é precisar para tomar decisões importantes.
Locke já pensa na ilha como um tipo de entidade diferenciada, isso fica evidente quando ele diz que olhou para o interior da ilha e o que viu foi algo lindo.
Os losties enfrentam a falta de água, o que faz Boone tomar mais uma atitude idiota. É engraçado assistir a Lost novamente e perceber certas coisas que passaram relativamente despercebidas, como o fato de Boone praticamente nunca conseguir fazer nada direito. O início desse episódio é revelador nesse sentido, já que Boone, mesmo sendo um salva-vidas, não é capaz de ajudar uma mulher que se afogava no mar.
Para adicionar mais um mistério, temos a cena que mostra o caixão em que estava o pai de Jack vazio. Afinal, o que Jack vê? Alucinações ou o pai está de alguma forma vivo novamente? Em uma das cenas que vemos a imagem do pai de Jack andando podemos escutar o barulho de um copo de whisky com gelo, situação que Jack estava acostumado a ver desde criança.

FLASHBACK
Um dos mais interessantes flashbacks, mostrando uma conversa importante entre Jack criança e o seu pai, Christian. Após Jack apanhar para ajudar um amigo seu pai fala que ele não deve tentar ser um herói, pois não tem o que é preciso.  Essa conversa ficou marcada em Jack e certamente foi essencial para ele assumir o papel de líder dos Losties, como se precisasse provar pra ele mesmo que era capaz.

NOTA
9

Lost 1×02 – Pilot: Part 2

NA ILHA
O ritmo diminui um pouco, mas o ar de mistério aumenta. Os acontecimentos deste episódio já nos dão a certeza de que Lost é um seriado diferente. Nossos Losties tem um encontro sinistro com um urso polar, algumas cenas depois de vermos Walt lendo um gibi em que este mesmo animal aparecia. Esse mesmo grupo que encontra o urso polar  está em busca de um lugar alto para que o transmissor pegue um sinal mais forte. O que eles não poderiam imaginar é que acabam escutando uma gravação de uma mulher francesa pedindo socorro, dizendo que os seus companheiros foram mortos por alguma coisa misteriosa. Para piorar a situação, eles descobrem que essa mensagem está sendo enviada há 16 anos, aparentemente, sem nenhum tipo de resposta. Como não ficar ansioso com essa situação?
Outra situação importante é a conversa de Locke com Walt sobre gamão. O confronto entre o branco e o preto, algo que vai ter grande importância no futuro.
Mas o que seria o seriado sem um pouco de humor? Uma das cenas mais engraçadas de toda a série está aqui, quando Jim oferece para Hurley uma comida das mais exóticas.

FLASHBACK
Algumas revelações: Kate está usando algemas, acompanhada de um policial e Charlie usa cocaína.

NOTA
9

Lost 1×01 – Pilot: Part 1

NA ILHA
Se existe um seriado que merece ser assistido várias vezes é Lost. Depois de dois anos do inesquecível Series Finale acho que chegou a minha hora de revisitá-lo.
O início do episódio continua sendo de tirar o fôlego. Jack abre os olhos, vê Vincent, sai pela floresta, vemos um tênis no meio das árvores e aí tudo começa. É um dos grandes momentos do seriado, logo de cara. Jack saindo como um louco no meio dos destroços e dando atenção a todos que precisam. Já é possível ter uma boa ideia da personalidade dele, que escolhe cuidar dos outros antes de se importar com ele mesmo. Tudo acontece de maneira caótica. Vamos reconhecendo vários personagens, sendo que em pouco tempo já dá para perceber as características de vários deles, como Shannon e sua futilidade ao fazer as unhas após um desastre de avião, Boone, que quer ajudar mas não sabe exatamente como, Kate que sempre se habilita para fazer as coisas perigosas, às vezes de um jeito bem chato e Locke que parece passar por uma experiência redentora.
Mesmo com tamanha dose de adrenalina, ainda há tempo para momentos intimistas e profundos, como quando Jack conta para Kate sobre uma difícil experiência logo no seu primeiro ano de residência como cirurgião de coluna. Nesse momento também dá para dizer que começa o interesse romântico dos dois, talvez mais pela parte de Jack.
Como se não bastasse o desastre em si, na primeira noite eles já percebem que há algo de diferente nesta ilha. Barulhos sinistros vindo da floresta, cujas árvores parece que estão sendo agitadas por alguma força estranha… um monstro, talvez?
A certeza de que a ilha esconde algo de ameaçador está no destino do piloto do avião. A imagem dele com o corpo todo ensanguentado é uma amostra de que Lost veio para colocar intensidade no mundo da televisão americana.

FLASHBACK
É um flashback bem rápido, mostrando apenas Jack no avião confortando Rose no momento da turbulência. Mas pelo fato do doutor pedir uma quantidade extra de vodka e pela intensidade de sua expressão podemos supor que ele está enfrentando algum tipo de problema.

NOTA
10

Lost S06E06 Sundown

Lost 6×06
Infelizmente, estou sem tempo para fazer posts sobre Lost do jeito que eu queria, mas tô a fim de tecer alguns comentários sobre esse belo episódio. É um episódio do Sayid e isso quase sempre significa qualidade. Ele é um dos melhores personagens de Lost, talvez por ser o mais circular de todos. É possível um cara que tortura e mata ser essencialmente bom? Sayid tem a resposta para isso.

Sundown apresentou o flash-sideways mais fraco até o momento, por ser um tanto repetitivo em seu tema. Sayid não pode ficar junto de Nadia, pois ela é casada com o seu irmão. É mais uma vez o destino mostrando que algumas coisas não podem ser mudadas. Mais uma vez Sayid fala que não quer matar ninguém, mas algumas situações o obrigam a agir dessa forma.

Agora, dentro da ilha temos um turbilhão de coisas acontecendo. Dogen convence Sayid a matar Flocke. Claro, o ato não sai como o esperado e Flocke utiliza o seu poder de convencimento para atrair Sayid para o seu lado. Sayid se transforma numa maquína mortífera, assustando até mesmo Ben, que sempre foi o mestre do persuassão. Vejam o sorriso maligno na foto acima!

Kate fala para Claire que está com Aaron e por um momento eu achei que Claire pularia no pescoço de Kate e a mataria. Ela não fez isso, mas os olhos da loira indicavam que essa era a sua vontade.

As coisas estão bem divididas agora. Um grupo com o Flocke, representando as peças negras de um jogo de gamão e um grupo de Jacob, representado as peças brancas. Mas, será que o lado negro de fato é o lado mal? Será que Jacob não é apenas um masoquista que queriam se divertir com as pessoas e suas emoções? Faltam 10 episódios para o fim de Lost e as coisas esquentaram de um jeito fantástico.

O próximo episódio terá Ben como personagem principal. Tá na hora dele voltar a ser o Ben de antigamente.

Nota: 8