Crítica: O Pacto (2011)

No primeiro ato de O Pacto existe a promessa de um bom filme. A ideia de um grupo de pessoas cujo objetivo é fazer justiça com as próprias mãos proporciona reflexões éticas e morais, além de nos fazer pensar sobre que atitudes tomaríamos se estivéssemos no lugar do personagem de Nicolas Cage. Infelizmente, a construção competente de uma atmosfera perigosa e imprevisível vai sendo demolida do meio para o fim, quando O Pacto se torna um filme de ação que não oferece nada de novo para o gênero. São perseguições de carro sem atrativos e investigações nada inspiradas. Também atrapalha bastante o fato de um simples professor que ensina Shakespeare se transformar num verdadeiro herói de ação. As coisas pioram ainda mais no desfecho, momento em que somos bombardeados por reviravoltas que não surpreendem e uma cena final supostamente inteligente.
5/10
info 

Crítica: Desconhecido (2011)


Desconhecido é daquele tipo de filme que não se sustenta quando paramos para pensar sobre suas reviravoltas. A premissa sem dúvida é interessante, mas aos poucos a falta de solidez do roteiro é escancarada. Graças a boa interpretação de Liam Neeson conseguimos sentir a angústia do Dr. Martin Harris quando ele se torna um zé ninguém no meio de Berlim. O mais estranho é que outra pessoa parece ter assumido o seu lugar durante os 4 dias em que ficou em coma devido a um acidente. Nem mesmo a esposa o reconhece. As dúvidas que ficam são essas: por que alguém teria interesse de se passar pelo Dr. Harris e o que a sua esposa ganha em compactuar com isso? A busca por essas respostas fica mais centrada em várias cenas de ação, principalmente aquelas envolvendo perseguições automobilísticas. São cenas filmadas com boa técnica, donas de uma tensão trabalhada de maneira agradável, mas não dá para negar que o mais interessante seria desenvolver melhor a história e os personagens. Longe de ser cansativo, Desconhecido é muito mais um thriller de ação do que algo inteligente que vá mexer com nossos neurônios. O desfecho, apesar de absurdo, não é um insulto a nossa inteligência e diverte.

6/10 IMDb