Review: Mr. Nobody (2009)


Nota: 8

Nemo Nobody é um velhinho de 118 anos vivendo em mundo onde ninguém mais morre por causas naturais. Em breve ele vai ser o último ser humano a ter esse fim. Antes de morrer, ele conta a história de sua vida para um jornalista e é a gente que aproveita. Jaco Van Dormael parece mais um artista do que um diretor de cinema. Ele cria um mundo lírico, recheado de poesia visual e que conta com uma trilha sonora um tanto depressiva, mas inegavelmente  bela. Aproveitando ideias relacionadas ao efeito borboleta, Jaco Van Dormael utiliza Nemo para que todos pensemos sobre nossas atitudes e na enorme capacidade que uma pequena escolha possui para mudar o rumo das nossas vidas. O filme mostra Nemo com três vidas diferentes, frutos de escolhas que mudaram o seu futuro, mas não a sua personalidade. Aqui e ali ocorrem certos tropeços e acredito que ele tenha sido ambicioso demais, mas não dá para negar a sua originalidade e ousadia. Além do mais, um filme que mostra dois personagens curtindo um 4:20 ao som de Pixies merece minha admiração instantânea.

Título original: Mr. Nobody
Ano: 2009
País: Canada, Belgica, França, Alemanhã
Direção: Jaco Van Dormael
Roteiro: Jaco Van Dormael
Duração: 141 minutos
Elenco: Jared Leto, Sarah Polley, Diane Kruger, Juno Temple, Toby Regbo

/mr. nobody (2009) –
bruno knott,
sempre