Premonição 4

Título original: The Final Destination
Ano: 2009
Diretor: David R. Ellis

A expectativa para o filme era a menor possível, queria apenas me divertir com as mortes, torcer para que elas fossem suficientemente macabras, engraçadas e bem montadas. Será que tive o que queria? É basicamente uma repetição dos filmes anteriores, mas aqui o início se dá em um autódromo, em meio a uma corrida da stock car (acho eu). Um grupo de amigos está lá de bobeira, tomando um gim, comendo uma ruffles e assim por diante, até que um deles começa a ver coisas estranhas, alguns sinais de que algo de errado vai acontecer e ACONTECE. Um pequeno objeto provoca uma catástrofe e aí bum…. FOI UMA VISÃO, um aviso!

Repetitivo, eu sei. Exatamente como os outros, mas era o esperado. A Dona Morte fica brabinha por algum bobão ter enganando ela e aí os que escaparam vão morrer em breve. É questão de tempo.

Ok. O que a gente espera quando vai assistir a um filme desses? Mortes bem boladas e com um mínimo de qualidade nos efeitos especiais. Mas não é bem isso que temos aqui. Grande parte das mortes acabam não empolgando e se tornam um tanto previsíveis. No filme anterior tivemos momentos marcantes, que te deixavam arrepiado e que tinham uma certa dose de suspense, mas Premonição 4 parece brincadeira de criança. Achei estranho, pois o diretor David R. Ellis dirigiu o Premonição 2 e o divertido Serpentes a Bordo. Quanto a atuação, dessa vez os caras se superaram ao escolher os piores atores possíveis, do nível de malhação e fica complicado aguentar algumas cenas, pelo menos são apenas 82 minutos. A única exceção fica pelo ator Mykelti Williamson, que é competente e confere um pouco de dignidade nesse quesito.

No geral, vale pela Shantel VanSanten e o seu “pijama” e por uma cena envolvendo um cinema 3D e uma explosão. É uma amostra do 3D sem limites, é o momento mais divertido e inspirado do filme. Vale a grana para ver no cinema? Hmmm ai você decide. Mas te dou uma dica valiosa…

FUJA.

Nota: 4 (de 1 a 10)

– Por B. Knott