A Caixa (2009)

Cotação: 6

A Caixa, cujo roteiro é inspirado em uma obra de Richard Matheson (autor de Eu Sou a Lenda), mostra vários pontos positivos de Richard Kelly, mas está bem longe de ter a qualidade de Donnie Darko. Muito se espera dos lançamentos do diretor, afinal ele é o criador do clássico cult Donnie Darko. Infelizmente, a cada novo filme temos uma nova decepção. Aqui temos um casal de classe média vivendo na Virgínia dos anos 70. Norma (Diaz) é uma professora e Arthur (Marsden) trabalha na NASA. Eles vivem tranquilamente as suas vidas até que recebem uma estranha caixa na porta de casa. A caixa não apresenta nada de anormal, a não ser um botão na superfície. Na sequência, eles são visitados por Arlington Steward, (Langella) que faz uma proposta nada usual: se eles apertarem o botão, ganharão 1 milhão de dólares, mas uma pessoa que eles não conhecem irá morrer. O casal tem 24 horas para tomar uma decisão.

É um enredo bastante interessante que propicia várias discussões relacionadas a moralidade e também nos permite fazer reflexões sobre a vida em sociedade. Me coloquei no lugar do casal e tentei imaginar o que faria em uma situação dessas. É uma situação sombria por si só, mas Richard Kelly deixa tudo com uma atmosfera mais sinistra ainda. Ele sabe como adicionar suspense e um ar bizarro nos seus filmes. Um exemplo é uma cena envolvendo um papai-noel no meio de uma estrada deserta. Estranha e assustadora. Apesar da ótima atmosfera e da boa ideia do roteiro, Richard Kelly se perde um pouco em sua ambição e desenvolve o filme de uma maneira absurda, fugindo de qualquer bom senso tangível, mesmo para uma ficção.

Não acho que tudo precisava ser explicado, já que um mistério sempre vai bem, mas há um excesso de pontas soltas que atrapalha o resultado final. De qualquer forma, me senti recompensado. Não é sempre que vemos um filme que estimule reflexões filosóficas e que faça analogias bacanas com a mitologia e com a bíblia. Em A Caixa vemos algumas mulheres apertando o botão e isso pode significar várias coisas: uma referência a Eva, a Pandora ou até mesmo uma suposta misoginia do diretor. Cabe a nós interpretar e decidir. Richard Kelly é ótimo para criar thrillers de suspense inteligentes, mas espero que o seu próximo trabalho tenha menos ficção e menos ambição. Quem sabe assim ele realize outra grande obra.



Título original: The Box
Ano: 2009
País: EUA
Direção: Richard Kelly
Roteiro: Richard Kelly
Duração: 115 minutos
Elenco: Cameron Diaz, James Marsden, Frank Langella, Sam Oz Stone

/bruno knott

Vanilla Sky

Título original: Vanilla Sky
Ano: 2001
Diretor: Cameron Crowe

É um consenso entre os cinéfilos de que Vanilla Sky é um remake desnecessário do ótimo Abre los ojos, do espanhol Alejando Amenábar. Não para mim. Cameron Crowe não fez uma simples cópia. Claro, a história é basicamente a mesma, porém Crowe faz uma abordagem bem diferente. Enquanto Amenábar cria um filme sombrio, com mais tensão psicológica e menos explicações, Crowe entope o filme de referências a cultura pop e dá um ar mais light para a história, ainda que ela seja essencialmente difícil. Aí depende do tipo de filme que te agrada mais no momento. Eu escolho o do Crowe.

Tom Cruise interpreta um verdadeiro playboy chamado David Ames. Ele mora em New York e é extramamente rico, não por habilidade própria, mas sim, por continuar o trabalho do seu falecido e distante pai. É um cara que não mantém relações profundas com as mulheres, preferindo ser adepto da amizade colorida. Uma dessas mulheres é Julie Gianni (Cameron Diaz). Para ela, David não é apenas uma relação casual. Ela é realmente apaixonada por David e insiste que fazer sexo quatro vezes durante uma noite quer dizer alguma coisa. Problemas à vista.

Essa visão distante em relação ao sexo oposto começa a mudar quando ele conhece Sofia (Penélope Cruz), que é apresentada por Brian (Jason Lee). Aquele clichê de amor a primeira vista parece funcionar aqui. Os dois passam uma noite fantástica, ambos se conhecendo de verdade, escutando músicas, bebendo vinho e fazendo caricaturas um do outro. David acredita que está diante da última garota semi-pura de Nova York.

Mas, aí… Cameron Crowe nos mostra que pequenas atitudes podem ser responsáveis por grandes mudanças e uma escolha de David vai alterar todo o seu futuro.

Estão vendo esta foto que escolhi? Ela representa um ponto de mudança no filme. A partir daí tudo acontece de uma maneira diferente. Pistas para a explicação que é dada no final estão por toda parte e fazem sentido dentro do contexto do filme. Apesar de ser um drama com romance, há este lado meio sci-fi, que necessita de um olhar mais atento do público.

Vários detalhes fazem de Vanilla Sky um ótimo filme: as músicas que Cameron Crowe sabe inserir no contexto dos filmes como ninguém. Jeff Buckley, REM, Radiohead, Sigur Ros e Beach Boys estão presentes e aumentam a qualidade do filme.

Se após a cena do elevador você pensar que perdeu o seu tempo com um monte de lixo, eu não te culpo, pois sei que é um trabalho irregular, mas se depois essa cena você ficar num estado de êxtase, seja bem vindo ao grupo dos admiradores de Vanilla Sky.

Nota: 8

– B.K.