O que esperar do novo filme de Shyamalan?

Dia 2 de julho estreia nos EUA “The Last Airbender”, o novo filme de M. Night Shyamalan.

O filme é uma adaptação de um desenho chamado Avatar (que nada tem a ver com o filme de James Cameron). Esse desenho parece ter um grande número de admiradores e eu nem sabia da existência dele.

Já fui um grande fã do diretor M. Night Shyamalan, afinal, ele é  o cara por trás de Sinais, O Sexto Sentido, Corpo Fechado e A Vila, que podem não ser obras-primas, mas me agradam profundamente. E aí ele criou A Dama na Água e O Fim dos Tempos. Convenhamos, são filmes que tiraram toda a credibilidade do diretor, nos fazendo duvidar de sua capacidade e até mesmo de sua sanidade mental.

Agora ele vem com este projeto, no mínimo, diferente.

Será que Shyamalan vai conseguir se sair bem num filme repleto de ação, magia, artes marciais e efeitos especiais? São aspectos que até então nunca fizeram parte do mundo do diretor, algo que pode ser uma boa, pois sua ânsia de tentar impressionar o público com histórias de suspense e grandes reviravoltas já está muito desgastada.

Talvez esteja seja a chance de redenção do diretor.

Será que podemos esperar algo minimanente divertido?

Me parece algo decente.

A resposta definitiva, só no meio do ano.

Guerra ao Terror leva o BAFTA de melhor filme

Em uma disputa que pode ser considerada um dos principais termômetros do Oscar, Guerra ao Terror superou Avatar, o seu concorrente direto no Oscar. O filme dirigido por Kathryn Bigelow levou 6 prêmios, incluindo melhor filme e melhor diretor e Avatar, de James Cameron, foi vencedor de duas categorias.

É a primeira vez que uma mulher vence o prêmio de melhor direção no BAFTA.

Será que a história vai se repetir no Oscar?

Este blog acha que o Oscar vai dividir os dois principais prêmios da noite. Se Avatar vencer melhor filme, Bigelow leva melhor diretor. Se Guerra ao Terror levar a estatueta, James Cameron ganha o prêmio pela direção. Acho este segundo caso mais provável e mais justo.

No dia 7 de março teremos a resposta.

– por B.K.