Spartacus 1×13: Kill Them All

O seriado Spartacus sempre me causava uma certa má impressão. Quando assistia a teasers e lia comentários sobre ele na internet me parecia algo feito apenas para saciar o desejo de violência de um público específico, nada mais. O fato é que fui surpreendido a cada episódio por uma história muito bem contada, que cresce em intensidade de maneira natural, que possui combates dos mais bem produzidos e sangrentos e que ainda conta com personagens que não são caricaturas.
Desde o primeiro episódio já era previsto um season finale nesses moldes, só não dava para saber como tudo ia acontecer e que seria tão bom. A frase “KILL THEM ALL” havia sido dita pela mulher de Spartacus lá no piloto da série e serviu como título do último episódio. Minhas expectativas eram enormes e posso dizer que elas foram correspondidas totalmente.
A rebelião dos gladiadores vista aqui é daqueles acontecimentos que marcam quem assiste. Tudo é muito bem feito, desde Spartacus tentando convencer Crixus a participar do levante, como a sede de vingança dos gladiadores colocada em prática. Após anos de tratamento escravo e após eles perceberem que não são mais do que meros objetos para animar um público desejoso de ver membros decepados, eles resolvem dar um basta. E  ninguém vai ter clemência. É de impressionar tamanha violência dos gladiadores botando para fora toda a raiva antigamente adormecida. A cena final com eles saindo dos portões do Ludus e falando que Roma vai tremer não poderia ser mais assustadora.
Eis um seriado que foi me conquistando aos poucos, de um jeito que eu não imaginava. É triste saber que o ator principal morreu devido a um linfoma, mas estou ansioso pela segunda temporada.
9/10 

Spartacus 1×01: The Red Serpent

Não se trata de um seriado exatamente fiel a História, mas ele tem boas chances de agradar aos admiradores da Roma Antiga, mais especificamente na época em que a política do pão e circo estava mais em alta. A julgar por este primeiro episódio o forte do roteiro não é o drama, ainda que exista um intenso romance entre Spartacus e Sura, mas que na verdade é piegas e sofre de uma intercorrência previsível. Os destaques são mesmo os combates mais do que sangrentos envolvendo os gladiadores. O abuso da câmera lenta e a violência gráfica nos fazem lembrar de 300, talvez com alguns litros de sangue a mais. São incontáveis as cenas mostrando afiadas espadas penetrando diversas regiões do corpo e o sangue jorrando na sequência, sempre com um efeito sonoro bacana e com o vermelho bem vivo. Este episódio serve mais para nos ambientar no mundo de Spartacus e para conhecermos o personagem, que está prestes a fazer sua primeira participação dentro do estádio.
O excesso de blue screen tira o ar realístico e faz tudo parecer uma verdadeira graphic novel, que é mesmo o material em que ele foi baseado. Não é um grande episódio inicial, mas ele guarda bons momentos em termos de ação, além de ter um ritmo que jamais nos deixa entediados. BK
8/10