É difícil entender os motivos dos livros de The Witcher não serem reconhecidos como devem. Graças aos jogos e ao seriado da Netflix isso vem mudando nos últimos anos, mas ainda é pouco.

Todos que se interessam por uma boa fantasia deveriam dar uma chance a saga de Andrzej Sapkowski.

A Espada do Destino é uma coletânea de contos que aos poucos aprofunda esse rico universo e desenvolve com maestria seus principais personagens como Geralt, Jaskier, Ciri e Yennefer.

Graças as inusitadas situações que se apresentam diante de Geralt e suas reações a elas passamos a compreender o bruxo cada vez mais.

Aqui aprendemos um pouco mais sobre o código dos bruxos e entendemos porque matar dragões está fora de cogitação. A questão da Lei da Surpresa e toda a relação de Geralt com Ciri também fica mais clara. E é óbvio que não poderia faltar mais camadas sobre o romance atribulado e imprevisível com Yennefer.

A escrita de Andrzej Sapkowski foge da pompa e do rebuscamento. A Espada do Destino é uma leitura acessível, direta e sempre fascinante. O polonês consegue conceber momentos inesperados de humor e também se sai bem ao descrever as matanças de monstros e outros confrontos.

Ele não é tão ambicioso e imaginativo como Tolkien e nem tão genial como George Martin no ato de escrever, mas ele trata o gênero da fantasia com respeito e o deixa extremamente atraente.

O que mais chama a atenção é mesmo a trama de cada conto. É tudo bem redondinho, com arcos narrativos eficientes que geralmente terminam em catarse ou algo que se aproxime disso.

Destaco aqui os ótimos O Limite do Possível, Algo Mais e a obra-prima Um Pequeno Sacrifício, que me surpreendeu com um desfecho melancólico e poético.

Geralt de Rívia já entrou para o seleto grupo dos meus personagens literários preferidos.