Com a revolução musical que o Nirvana proporcionou com o estrondoso sucesso de Nevermind, eles se sentiram confiantes e ganharam sinal verde para deixar o próximo álbum mais cru e furioso. A tarefa de manter o nível era muito difícil, mas In Utero consegue mostrar muitas das qualidades do Nirvana. Pena que jamais saberemos até onde eles iriam chegar, já que Kurt Cobain cometeu suicídio pouco tempo depois do lançamento. Contando com produção de Steve Albini (Pixies), In Utero nos oferece riffs eficientes, um baixo muitas vezes pesado e um Dave Grohl destruindo tudo na bateria. As letras mostram um Kurt Cobain sem medo de revelar suas aflições. Analisando agora, muitas músicas possuem uma triste poesia, talvez indícios do que Cobain poderia fazer. O álbum alterna momentos mais leves em termos de melodia como as ótimas Dumb e All Apologies, com outros extremamente intensos e perturbadores como Scenteless Apprentice. Confesso que essa pegada noise rock não é bem minha praia, mas não dá para negar a intensidade dos caras. Mesmo não sendo coeso, In Utero é um lembrete da qualidade desses americanos revolucionários.

1. Serve the Servants *
2. Scenteless Apprentice
3. Heart Shaped Box *
4. Rape Me *
5. Frances Farmer Will Have Her Revenge on Seattle
6. Dumb *
7. Very Ape
8. Milk It
9. Pennyroal Tea
10. Radio Friendly Unit Shifter
11. Tourette’s
12. All Apologies *

Favorita: All Apologies
Pior: Tourette’s