Uma parte dos entusiastas do cinema de Federico Fellini considera Amarcord o seu melhor filme, algo compreensível. Muitas das características que definem o estilo do diretor podem ser vistas aqui, como a ausência de uma trama convencional, um grande número de personagens peculiares e um ar nostálgico envolvendo tudo isso. E claro, com a maravilhosa trilha de Nino Rota deixando a experiência ainda mais atraente.

Fellini afirmou muitas vezes que o filme não é autobiográfico, mas não negou que algumas de suas memórias de infância se fazem presentes. Em vez de uma história com começo, meio e fim, Amarcord é mais uma junção de sequências que investem no nostálgico, no humor, na sátira e no bizarro. Certas cenas são extremamente marcantes, como a triunfal chegada do transatlântico, o garoto Titta explorando sua sexualidade com uma mulher de seios avantajados e o velho em cima de uma árvore pedindo aos céus por uma mulher.

Fellini era um cineasta que conseguia alcançar a excelência com notória naturalidade. Amarcord é uma prova disso.




Nota: 8.5

Título Original: Amarcord
Ano: 1973
Direção: Federico Fellini
Roteiro: Federico Fellini, Tonino Guerra
Elenco: Magali Noel, Bruno Zanin, Pupella Maggio
Oscar: Melhor filme estrangeiro (vencedor), Melhor diretor (indicado), Melhor roteiro original (indicado).