Adicionar um lado sobrenatural envolvendo zumbis na Segunda Guerra poderia render uma ótima experiência, mas não foi o caso com Overlord. Ainda que o filme possua um início dos mais intensos, no qual testemunhamos o caos de sobrevoar a Europa dominada pelos alemães momentos antes do Dia D, as cenas de ação se tornam protocolares e a trama peca por não explorar satisfatoriamente a intrigante premissa.

Um pequeno grupo de soldados americanos tem a missão de destruir uma torre em uma pequena cidade francesa, mas chegando lá eles descobrem que experimentos científicos preocupantes são realizados pelos insanos nazistas. Um tipo de soro é capaz de reviver os mortos e de transformá-los em seres letais no campo de batalha. Haverá tempo e condições para os soldados americanos extrapolarem o objetivo da missão e fazerem algo em relação a essas experiencias?

Overlord começa empolgante e dá indícios de que iria trabalhar o horror com qualidade, mas acaba ficando cada vez mais sem graça. O roteiro não aproveita a ideia dos zumbis como deveria e muito pouco tempo é investido neles. O suspense praticamente não existe e o pseudo gore passa longe de causar aflição. Os personagens rasos e seus diálogos pouco interessantes nos deixam ainda menos investidos na história, que ainda por cima insiste em um clichezento confronto final entre o herói e o vilão.

Nota: 6