Game of Thrones: “Baelor” Crítica

Game of Thrones | 1×09 – Baelor

Quando a tela preta no fim do episódio Baelor apareceu fui inundado por um misto de sentimentos. O que eu acabara de presenciar era algo forte, surpreendente e digno de um dos melhores seriados de todos os tempos. Depois de nove intensas horas de Game of Thrones, não vejo problema algum em fazer essa afirmação.

Mas antes de chegar ao acontecimento chave deste penúltimo episódio da temporada, vamos relembrar outras coisas que se passaram em Westeros.

Primeiro de tudo: A Guerra dos Tronos efetivamente começou. Talvez por questões econômicas as duas batalhas que aconteceram no episódio não foram mostradas. Vimos apenas o resultado final delas. Robb utilizou uma estratégia interessante, mas teve que mandar dois mil soldados para a morte. Ele não consegue esconder o peso na consciência por isso, afinal é filho de Ned. De qualquer forma, após um acordo com Walder Frey, Rob e 18 mil soldados atravessaram a ponte e conseguiram capturar Jaime Lannister.

As coisa estão cada vez piores para Khal Drogo. Aquele corte inocente infeccionou e a morte é quase certa. Desesperada, Daenerys pede para que Mirri Maz Duur faça o que for possível para salvá-lo. Um ritual de magia negra tem início. Se Drogo morrer, Daenerys conseguirá se manter no comando dos dothraki? Ela tem seguidores fieis, mas não parecem ser a maioria. E todos vimos como esse povo pode ser sanguinário.

Tivemos também dois momentos que se destacaram pela carga emocional. Na muralha, Meistre Aemon revelou suas origens nobres para Jon Snow e fez um discurso importante sobre honra e amor e as obrigações de um patrulheiro da noite. E quanto a Tyrion, Bronn e Shae? Inicialmente, o drinking game dos três nos proporcionou boas risadas, mas depois o papo ficou sério e não teve como não sentir pena de Tyrion. Não é fácil ter um pai como Tywin Lannister.

Mas voltemos ao momento fundamental do episódio, da temporada e também do seriado. Quantas vezes vimos o personagem principal de uma história ser eliminado tão cedo assim? Rapidamente começamos a admirar Ned por suas virtudes e personalidade, então quando aquela espada caiu ficamos realmente tristes. Mas tudo o que aconteceu antes indicava que esse seria de fato o seu destino. Ele foi corajoso quando ameaçou Cersei, mas errou ao refutar a aliança com Renly. Era apenas um lobo no meio de vários leões. E para piorar, havia Joffrey. Para Cersei e os outros do conselho bastava Ned admitir a traição e eles lhe dariam a chance de viver como patrulheiro. Para Joffrey isso era pouco. Ele quis fazer Ned de exemplo e mostrou como é desprezível.

Ned admitiu algo que não fez pensando na segurança das filhas, não havia outra opção. Infelizmente, Arya presenciou quase tudo. Ainda bem que Yoren estava em Baelor e pôde ajudá-la.

A guerra dos tronos começou impiedosa e imprevisível. Sorte nossa.

Nota: 9.6

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s