Proposition

Foi com muita curiosidade e boas expectativas que iniciei a sessão de A Proposta, um Western cuja história se passa na Austrália dos anos 1880.

As coisas começam de uma maneira inquietante. Uma música cantarolada por uma criança, fotos em preto e branco mostrando um crime chocante ocorrido há pouco, até que o filme realmente começa e nos coloca no meio de um tiroteio. Os irmãos Mikey e Charlie Burns tentam se defender do policial Stanley, sem sucesso. Os dois são capturados.

Stanley tem uma proposta para Charlie: matar o outro (e mais perigoso) irmão e assim conseguir salvar a si próprio e Mikey, que em 9 dias será enforcado.

Charlie inicia uma jornada solitária pelo imenso e opressivo outback australiano, com tempo suficiente para refletir sobre que atitude tomar quando encontrar Arthur, mas sem se descuidar dos inúmeros perigos a sua volta.

Um dos pontos fortes de A Proposta é o fato de seus personagens principais apresentarem personalidades complexas. O capitão Stanley procura ser justo da melhor maneira possível, o que pode acarretar em consequências negativas em uma terra em que a lei quase não tem voz. Uma terra podre. Tão podre que podemos ver e ouvir moscas por todos os lados.

A violência aqui é brutal, crua e realmente perturbadora. Algumas cenas podem causar um certo desconforto.

Com um ritmo contemplativo e com espaço para doses de lirismo, trata-se de uma experiência forte, mas levemente irregular. Pode ser considerado um dos grandes faroestes dos tempos modernos, apesar de estar distante em qualidade de obras como Os Imperdoáveis ou o seriado Deadwood.
[8.5]