a-trilogia-apu Desde quando decidi me aprofundar no mundo do cinema e ler o maior número possível de material sobre os aspectos que o envolvem, com bastante frequência me deparo com textos exaltando a qualidade e a importância do cineasta indiano Satyajit Ray e sua trilogia Apu. Com grandes expectativas fui assistir aos filmes A Canção da Estrada, O Invencível e O Mundo de Apu e fui brindado com uma experiência das mais recompensadoras. Agora compreendo todos esses elogios que o diretor recebe.

Bebendo na fonte do neorrealismo italiano, Satyajit Ray nos apresenta a história do garoto Apu e de sua família, habitantes de uma cidade rural da Índia, onde falta muita coisa, menos esperança de dias melhores. A trilogia é sobre o garoto Apu e o seu amadurecimento, mas os membros de sua família também são desenvolvidos a contento, tanto que nos importamos profundamente com cada falecimento que ocorre. E não são poucos.

Os filmes oferecem cenas de pura poesia e mesmo assim não deixam de ser realistas. Tudo parece muito honesto e natural. Chegar a ser impossível não criarmos uma forte empatia com o garoto Apu, que desde cedo dá mostras de ser um rapaz curioso, com uma imensa vontade de conhecer o mundo e de aprender.

São três filmes que mostram a evolução de Apu, tanto física quanto mentalmente. A trilogia tem suas doses de tragédia, mas a beleza da vida e e das relações humanas são realçadas de maneira inequívoca.
[9]

/siga: @intratecal
curta: facebook intratecal