the-rover-a-cacadaO lugar: Austrália.

O período: 10 anos após o colapso.

O enredo: um grupo de três bandidos rouba o carro do solitário Eric, que inicia uma caçada até as últimas consequências.

E é basicamente isso. O mais novo filme do diretor David Michôd (Reino Animal), oferece muito pouco em termos de narrativa e peca por não explorar satisfatoriamente este mundo apocalíptico.

Não sou fã de diálogos expositivos e de explicações mastigadas, mas em filmes como esse algumas respostas são bem-vindas. O que foi este tal colapso que nos é informado na primeira cena? Foi uma crise financeira? Como estão as coisas na capital do país e em outros locais do mundo?

Mesmo com todo esse minimalismo, não podemos negar que a ambientação é fascinante. Os cenários desolados e pouco povoados criam um enorme tom de urgência. Há perigo em qualquer lugar e em qualquer tipo de contato com outra pessoa. Não é à toa que muitos preferem atirar antes e perguntar depois.

Mas voltemos a trama principal. Eric passa todo o filme no encalço dos bandidos que levaram o carro dele e no meio do caminho acaba conhecendo Rey, o irmão de um desses bandidos.

Robert Pattinson oferece uma atuação interessante, transformando Rey no único personagem razoavelmente relevante. Infelizmente, outro pecado do filme é não nos dar a chance de nos conectar com Eric, assim o resultado de sua busca não nos desperta maiores emoções.

The Rover é uma grande oportunidade perdida. Ainda que tenha momentos marcantes (muito pela violência) e uma ótima fotografia, fica devendo bastante em aspectos fundamentais do bom cinema.
6/10