Eu estava bastante curioso a respeito deste filme francês que mesmo não tendo uma grande divulgação, começou a fazer sucesso através do boca a boca e de muitas críticas positivas. Minhas expectativas foram correspondidas. Gostei de cada segundo deste verdadeiro feel good movie, mesmo que ele não seja completamente livre de falhas.
Philippe é um tetraplégico milionário em busca de um novo cuidador. Vários “especialistas” se candidatam ao trabalho, mas ele acaba se interessando por Driss, que na verdade nem queria o trabalho.
Os Intocáveis acerta ao retratar o nascimento e o fortalecimento de uma amizade improvável. Driss conquista a simpatia de Philippe com o seu jeito extrovertido e um tanto folgado, mas logo ele passa a realmente se importar com o seu “patrão”. Ambos vivem experiências que provavelmente não teriam se não se conhecessem e isso nos proporciona momentos muito engraçados, como a reação de Driss ao assistir a uma ópera. O humor é sem dúvida uma parte importante de Os Intocáveis, garantindo leveza para um tema que poderia render algo piegas ou exageradamente melodramático. Claro que existem cenas mais tocantes, mas tudo é muito sincero e real.
As falhas que mencionei se encontram em algumas subtramas desnecessárias e no próprio desfecho, que me pareceu apressado demais. Nada que tenha me incomodado muito. O que fica é a amizade entre esses dois personagens e as inúmeras situações interessantes que eles passam juntos.
8/10