Finalmente comecei a “maratona Breaking Bad“, um seriado que está no ar desde 2008 e continua recebendo muitos elogios e prêmios por aí. Foi com grandes expectativas que assisti ao piloto e mesmo não considerando um episódio perfeito, já deu pra sentir que Breaking Bad tem um algo a mais. O que mais chama a atenção logo de cara é a história: Walter White, um professor de química, descobre ter um câncer de pulmão inoperável, lhe restando poucos anos de vida. Ele é casado, mas a chama da paixão está extinta há algum tempo, tem um filho com paralisia cerebral e é dono de uma conta de banco cada vez menor. Para tentar melhorar a situação financeira da família antes de morrer, resolve se juntar a um ex-aluno e produzir metanfetamina para vender. Tudo acontece de maneira bem dinâmica e extremamente tensa. O episódio é contado em flashback, nos proporcionando várias surpresas. Para Walter situações extremas exigem atitudes extremas e o que vemos é uma montanha-russa delas. Walter passa por uma mudança de personalidade bem grande, algo que fica evidenciado pela maneira que reage quando uns ignorantes tiram sarro do seu filho e também pela diferença do apetite sexual que ele demonstra no começo e no fim do episódio.
9/10