Um dos trunfos de Another Earth é misturar sci-fi com um drama pessoal que funciona na maior parte do tempo, tendo que gastar para isso não mais do que 90 minutos, colaborando para o dinamismo da experiência.

O acidente fatal causado por Rhoda Williams faz com que a vida dela mude completamente. De uma universitária de futuro promissor acaba se tornando faxineira graças aos 4 anos de prisão. Ela foi presa por ter dirigido alcoolizada e acabado com a família de John Burroughs.

Essa situação ocorre no mesmo tempo em que uma nova Terra é descoberta. Um planeta idêntico ao nosso, não só em termos geográficos, mas também humanos. É com espanto que percebemos que a Terra 2 é como um espelho do nosso mundo, já que lá existe uma “cópia” de cada pessoa que aqui vive.

O conflito pessoal de Rhoda às vezes soa absurdo, principalmente devido a maneira que ela se aproxima de John, algo que às vezes parece mais inacreditável do que a existência de um planeta igual a Terra, mas é inegável que essa situação proporciona momentos dolorosos e melancólicos suficientes para que nos importemos com os dois personagens. O diretor Mike Cahill constrói uma atmosfera fria, um tanto depressiva, que reflete bem o sentimento de Rhoda e John. A câmera digital também é essencial para que tudo se torne mais próximo de nós, mais real e mais urgente.

Olhando agora para a essência sci-fi do filme, ele merece reconhecimento pela ideia criativa que proporciona diversas discussões. Como receberíamos a notícia de que existe uma pessoa igual a nós? Será que ela teria os mesmos gostos, as mesmas vontades, os mesmos medos?

Talvez o roteiro poderia ter explorado mais esse ar misterioso que envolve a Terra 2, ao invés de centrar tanto no lado intimista da história. Em um mundo como o nosso, em que a grande maioria da população é religiosa, seria interessante mostrar algo relacionado a isso. Como as pessoas encarariam algo desse tipo em um lado espiritual? Faltou um pouco de tempo e quem sabe de ousadia para trabalhar esse lado.

De qualquer forma, Another Earth é um filme que intriga, que traz um ar de novidade para o gênero e que é dono de um desfecho que permite várias interpretações. É sempre bom poder imaginar as diversas possibilidades de um final, exatamente como ocorre aqui.
7/10