As narrações em off, que apresentam os três personagens principais, nos fazem pensar que estamos diante de uma comédia promissora e com bastante presença de espírito, mas os minutos seguintes mostram que isso está longe de ser verdade. Quero Matar Meu Chefe mostra três empregados que não conseguem mais suportar seus chefes e decidem tomar uma drástica medida: eliminá-los. Tudo seria melhor se fosse menos absurdo. As atitudes dos personagens são exageradas e burras demais para serem compreendidas, o que diminui a graça das situações. Comédias não precisam necessariamente formar um pacto com a verossimilhança, mas é bom ter um limite. Apesar disso, existem momentos que conseguem arrancar boas risadas, principalmente pelo bom trabalho de atores como Kevin Spacey e Jason Bateman. Mesmo sendo um dos vários exemplos da falta do compromisso com o bom senso, o nome do personagem de Jamie Foxx dá a oportunidade para diálogos ofensivamente engraçados. Quer saber o nome dele? Motherfucker.
Quero Matar Meu Chefe é um legítimo besteirol e que apesar de ser muito pouco criativo e inteligente, consegue cumprir o seu papel de nos divertir.
7/10