Pode parecer um exagero dar cinco estrelas para um filme de zumbi, mas o fato é que eu gosto de avaliar um filme pelo o que ele se propõe e, dentro do gênero, Extermínio 2 é um trabalho quase que irrepreensível. Muitos temeram pelo pior quando Danny Boyle abandonou o projeto, mas foi com alegria e com um pouco de surpresa que constatamos a imensa qualidade do diretor Juan Carlos Fresnadillo. Desde os primeiros minutos do filme o desespero toma conta dos personagens e de nós também. Os zumbis aqui são extremamente rápidos, violentos e até inteligentes. Fugir deles é tarefa quase impossível, sendo a melhor chance de sobreviver manter-se escondido em um local isolado.  A sequência inicial, que mostra zumbis perseguindo um grupo de pessoas, é cheia de adrenalina e já mostra do que o diretor é capaz. Não posso esquecer também da trilha sonora marcante, que deixa tudo ainda mais envolvente.

Extermínio 2 mostra uma Inglaterra pronta para receber seus moradores novamente. A infecção foi controlada e com isso o povo volta a ter esperança de viver como antes. Tudo corre bem até um inevitável erro ser cometido.

O filme se destaca pelas boas doses de suspense – principalmente quando as crianças perambulam por uma área vazia e proibida de Londres -, pelas cenas extremamente fortes, tanto em termos de violência física como de violência psicológica e também pelo ótimo elenco, que conta com Jeremy Renner, Idris Elba e Robert Carlyle.

Eis um trabalho subestimado que merece um pouco mais de atenção. É ótimo ver um filme de zumbis cujo desfecho é imprevisível e que, em meio a cenas cheias de sangue e morte, tenha um tempinho para fazer críticas relevantes à certas atitudes do ser humano e também à política bélica de alguns países.