Cotação: 7

Quando criança me considerava um grande fã de Karate Kid. Revi o filme várias vezes e ainda por cima praticava aquele golpe final do Daniel San pelas ruas da minha cidade. Lembro-me com alegria desse filme e daquela época. No momento em que fiquei sabendo que um remake seria feito me assustei. Achei que jogariam no lixo a franquia. Pra minha surpresa, isso não aconteceu. Ao sair do cinema percebi que me diverti bastante e que passei a preferir o remake ao original.

Aqui o garoto Dre (Jaden Smith) tem que se mudar com a mãe (Taraji P. Henson) para a China. Dre desperta a ira de um valentão local e passa a ser uma vítima internacional de bullying. Mas Dre é valente e prefere apanhar do que parecer covarde. O problema é que ele não tem chance alguma contra Cheng e a sua gangue. Han (Jackie Chan), zelador do prédio onde Dre mora, fica comovido com a situação e passa a treina-lo. Em alguns meses um torneio de Kung Fu irá acontecer. É a chance de Dre impor respeito aos seus perseguidores.

É claro que Karate Kid não é um filme perfeito. As falhas existem e mesmo que não prejudiquem tanto, poderiam ter sido evitadas. Algumas tentativas de fazer humor soam repetitivas, como quando Dre fala em chinês com um americano de olho puxado. Já vimos isso em outros filmes, o que diminui consideravelmente a graça da coisa. Certas situações acabam não sendo muito bem desenvolvidas, como a própria mudança da família para China. Sabemos que trata-se de uma dificuldade ecônomica, mas tudo acontece muito rápido. Aliás, o filme gasta muito tempo no treinamento de Dre e acaba tendo que apressar a sequência do torneio, o que diminui um pouco a dramaticidade das cenas.

O maniqueísmo também poderia ser evitado. O garoto Cheng e o seu treinador são meras caricaturas, não são personagens de verdade. Eles são maus e ponto. No fim o roteiro traz um pouco de humanidade a Cheng, afinal, trata-se de uma criança.

Era impossível o filme não ser previsível. Conhecemos a fórmula e sabemos o que vai acontecer, mas isso não acaba sendo um problema. O carisma de Jaden Smith e a surpreendente habilidade dramática de Jackie Chan são hipnotizantes. O filme se sustenta com a química dos dois e com locações espetaculares, como a cidade proibida e a própria muralha da China, o que garante uma ótima fotografia.

Falei das tentativas frustradas de fazer humor, mas a maioria funciona muito bem. Há uma referência muito boa ao Karate Kid original, que faz rir até quem não é familiarizado com a franquia. Jaden Smith, como falei, tem carisma e um ótimo timming cômico quando necessário.

Li algumas críticas reclamando da longa duração, mas para mim tudo passou bem rápido, tamanho o envolvimento que tive com a história. O diretor Harold Zwart imprime boas doses de adrenalina ao torneio, mas faltou tempo para explorar melhor.

Karate Kid entretém e diverte na medida certa. Não fosse algumas falhas e a música tema ser cantada Justin Bieber, poderia até ter dado uma nota 8.


Título original: The Karete Kid
Ano: 2010
País: EUA
Direção: Harald Zwart
Roteiro: Christopher Murphey
Duração: 140 minutos
Elenco: Jaden Smith, Jackie Chan, Taraji P. Henson

imdb
review do roger ebert

– E vocês? Gostaram? Acharam uma m…? Preferem esse ou o original?

/bruno knott