Título original: É Proibido Fumar
Ano: 2009
Diretor: Anna Muylaert

No ano passado este filme de Anna Muylaert foi o grande vencedor do festival de cinema de Brasília, levando nada menos do que 8 prêmios, incluindo melhor filme, roteiro, ator (Paulo Miklos) e atriz (Glória Pires). Merecidamente, eu diria. É Proibido Fumar já começa mostrando uma fumaça de cigarro nos créditos e um cinzeiro logo na sequência. Baby (Glória Pires) é uma fumante compulsiva que dá aulas de violão no próprio apartamento. Ela vai simplesmente levando a vida, até que um novo vizinho desperta o interesse amoroso de Baby. Apartir daí as coisas mudam. Ela passa a frequentar mais o salão de beleza e faz de tudo para que ocorra uma aproximação. As conversas dos dois sobre música são alguns dos pontos altos. Ela exaltando Chico Buarque, ele Jorge Benjor e por aí vai. A trilha sonora muito bem realizada por Marcio Nigro também é um diferencial positivo. Além da propaganda anti-tabagismo, É Proibido Fumar ainda faz críticas sutis a algumas coisas que o povo brasileiro vem consumindo, como revistas e programas de televisão de futilidades. Como trata-se de Anna Muylaert, um acontecimento bizarro vai dar um tempero a mais para a história, que é naturalmente boa e bem contada.

Nota: 7

/bruno knott