O Profeta


Título original:
Un Prophèt
Ano: 2009
Diretor: Jacques Audiard

O Profeta está sendo considerado por muitos como o Poderoso Chefão da França. Exageros à parte, é certo que o filme mostra o renascimento do cinema francês. Não que eu seja um especialista no assunto, mas fazia tempo que não havia tanta repercussão sobre um filme feito naquelas bandas. Repercussão naturalmente alcançada.

Somos apresentados a Malik El Djebena, um argelino que acaba de ser preso. Neste ambiente hostil, ele enfrenta inúmeras dificuldades para sobreviver. A princípio, Malik passa os dias isolado e aos poucos vai ganhando confiança, até se aproximar de um dos líderes da prisão.

Não demora muito para o “árabe” almejar voos mais altos do que trabalhar como um simples ajudante.

Apesar de não contar com uma estrutura narrativa original ou uma fotografia de grande destaque, o filme é dirigido de maneira muito competente por Audiard. O diretor nos coloca dentro da prisão, nos tornando cúmplices de Malik.

Provavelmente, é o papel da vida do ator Tahar Rahim. É daquele tipo de atuação poderosa e magnética. A evolução do personagem é transmitida de maneira verossímil pelo ator. Fato que contribui e muito para a nossa apreciação do filme, pois trata-se basicamente de um estudo de personagem no mundo do crime.

Ele é recheado de momentos fortes e impactantes, que certamente vão ficar guardados na memórias de muitos.

Existe um lado vagamente sobrenatural, que no fundo não acrescenta tanto à história. Uma reclamação que tenho é com a duração. O filme não é cansativo, mas poderia ser alguns minutos mais curto.

Tenho quase a certeza de que neste último Oscar os filmes de língua estrangeira formaram uma seleção melhor do que a dos filmes americanos.

Nota: 8

– Bruno Knott

20 comentários em “O Profeta”

  1. Sua opinião é um pouco mais reservada do que a maioria a respeito desse filme, mas mesmo assim não ovu perdê-lo. Parece impactante, e o BD vai sair nos EUA logo mais…

  2. Vou ver o profeta amanhã no Festival Varilux de Cinema Francês. Estou doido pra ver esse filme!

    P.S: Quanto a sua pergunta, o local é divido em duas partes: “ponto de partida e fim da jornada”. A protagonista é essa menina da capa, que se chama Megan, mas vive mudando de nome e de cidade, fugindo de casa e da mãe, com quem sempre teve uma relação conturbada.

  3. Não esperava tanto de “O Profeta”, até porque não aprecio muitos filmes de prisão, mas certamente esse foi um dos melhores do subgênero que já vi. E o Tahar está ótimo mesmo!

  4. Você não foi o único e os elogios não foram poucos. Pretendo conferir assim que estrear por aqui. Jacques Audiard é um grande diretor, infelizmente pouco conhecido no panorama cinematográfico, mas tem seu lugar cativo entre os principais realizadores contemporâneos.

    abs!

  5. Oi Bruno,

    Gostei deste filme, embora ele é cansativo na duração. Confesso que eu tive que assistí-lo com muita perseverança. Eu gosto exatamente do desenvolvimento da interpretação de Tahar Rahim. Ele vai crescendo na sua inserção nos bandos sociais, na máfia, na liderança. E ele não evolúe somente porque o roteiro diz que Malik vai crescer no papel. Rahim realmente cresce como ator.

    Bjs

    MaDame

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s