Título original: El secreto de sus ojos
Ano: 2009
Diretor: Juan José Campanella

Decidi esperar um tempo antes de tecer comentários a respeito deste trabalho do diretor Campanella. Tomei essa decisão pois o filme teve um impacto enorme em mim e achei que escrever logo após assistí-lo iria me fazer superestimar as qualidades dele. Depois de uma semana o sentimento permanece o mesmo. Lendo diversos reviews e lembrando das várias cenas memoráveis, o filme não para de crescer no meu conceito. Não sei se estou exagerando, mas creio que estamos diante de uma obra-prima.

Benjamin Esposito (Ricardo Darín) é um ex-investigador policial que decide escrever um livro. Ele compartilha essa vontade com Irene (Soledad Villamil), que parece não gostar muito da ideia. O livro vai funcionar como o relato de um caso em que ambos trabalharam há 25 anos. Uma jovem estuprada e assassinada. Segundo Esposito, toda a vida dele gira em torno daquele caso e dos acontecimentos que o envolveram. Através de flashbacks vamos descobrir os motivos.

É impressionante a fluidez com que Campanella conduz a história. Ele mantém o interesse do público em todos os momentos e das mais variadas formas. Fazia tempo que eu não via um filme com tantas qualidades: cenas de humor honesto, criadas a partir de situações verossímeis; uma cena de ação frenética e estimulante, quase que sem cortes, filmada dentro de um estádio de futebol, que me causou um misto de ansiedade e tensão; uma história de amor cativante, com detalhes enriquecedores, como aquele que inclui uma máquina de escrever com um defeito específico.

Tudo isso não funcionaria não fosse a quase sobrenatural química entre esses mais do que competentes atores. O Segredo dos Seus Olhos é um filme criativo, rico e que foge do óbvio. Por enquanto, é o melhor lançamento de 2010 que pude acompanhar no cinema. Sem dúvida, mereceu o Oscar de melhor filme estrangeiro. O Brasil tem produzido excelentes filmes, mas podemos aprender alguma coisa com nossos hermanos que estão logo ali.

Nota: 10