Título original: The Lovely Bones
Ano: 2009
Diretor: Peter Jackson

Uma garota de 14 anos é brutalmente assassinada por um vizinho e vai parar no paraíso. É de lá que ela nos conta esta triste história e observa sua família e o seu assassino. O filme está sendo malhado pela crítica especializada e também por vários blogueiros cinéfilos. Motivos não faltam.

Há um certo exagero nos efeitos especiais, algo que serve para mascarar o roteiro mal desenvolvido. Claro que existe uma ou outra cena bacana, afinal Peter Jackson sabe trabalhar com computação gráfica, mas no geral elas são irritantes.

Os personagens sofrem por não serem aprofundados, atrapalhando desempenho dos atores. Rachel Weisz desaparece durante filme, Susan Sarandon erra o tom da sua personagem, que parece ter sido criada para uma comédia e não para um filme com um assunto tão triste, Stanley Tucci demonstra muito talento, principalmente quando está cara a cara com a vítima, porém seu personagem não é nada mais do que uma caricatura.

Pelo menos, Mark Wahlberg fez um trabalho competente ao retratar todo o sofrimento de um pai que perde sua filha e Saoirse Ronan está expressiva como sempre.

Peter Jackson erra a mão várias vezes. Caramba, o filme retrata muito sofrimento e tristeza. O ar fantasioso da garota no paraíso já era o suficiente para amezinar um pouco a história. Aquelas cenas supostamente engraçadinhas com a avó são completamente desnecessárias e embaraçosas. E para completar, um desfecho grotesco. Algo extremamente inverossímel e que não deixa de ser uma afronta ao bom senso.

Vocês devem estar pensando que odiei Um Olhar do Paraiso, mas não é verdade. Os poucos pontos positivos me deixaram relativamente satisfeito. A primeira hora do filme, com a apresentação dos personagens e  do assassinato, é muito boa. Me pareceu algo bem orgânico e realmente contagiante. Consegui compartilhar o sofrimento dos pais e da própria garota morta. Quatorze anos. Uma vida inteira pela frente. Não é nada fácil saber que ela não vai terminar a escola, não vai para faculdade, não vai ter filhos… se o filme conseguir te transmitir isso você não vai achá-lo totalmente desprezível.

Pena que Peter Jackson não soube fazer as escolhas certas e nos deu um trabalho cheio de falhas.

Nota: 6

– B.K.