Título original: Zombieland
Ano: 2009
Diretor: Ruben Fleischer

Filmes de zumbis me agradam. Eu curto mesmo. Desde as criações de George A. Romero até Shaun of the Dead e Extermínio. Caramba, é algo extremamente interessante ver um bando de zumbi cambaleando, sedento por miolos, destruindo tudo e matando todo mundo. Melhor ainda quando existe uma história legal e envolvente junto. Adivinhem! Zumbilândia faz parte desse time.

Hoje o dia estava complicado na minha cidade. A chuva não deu trégua. A atmosfera estava mais cinza que o fog londrino, um clima bem depressivo. Eis que decido assistir a Zumbilândia e ao mesmo tempo parecia que o sol  tinha dado as caras… mas era noite. O sol apareceu em forma de filme e esse filme se chamava Z-U-M-B-I-L-Â-N-D-I-A!!! (dica dada pelo Robson Saldanha).

O filme é curto, pouco mais de uma hora e vinte minutos de duração, portanto, não há tempo a perder. Logo no começo uma narração em off faz um resumo de como está a situação no momento. Nada boa. Os EUA já eram, o que resta é uma terra dominada pelos ZOOOMBIEEESSSS…. Mas existe um sobrevivente, é Columbus, justamente quem está nos informando. Ele só conseguiu se manter vive por seguir algumas regras básicas, como:
– Ter preparo físico
– Atirar duas vezes
– Cuidado no banheiro

e outras.

Dá pra ver que esse filme tem um algo a mais, certo?

Os créditos iniciais não me deixam mentir. É uma sucessão de imagens extremamente BELAS e VIOLENTAS, que mostram assassinatos cometidos por zumbis de uma maneira empolgante.  Aos poucos vamos conhecendo melhor o Colombus e logo entra na história Tallahasse. O que os dois têm que fazer é tentar sobreviver a esse mundo entupido de zumbis e outras coisinhas mais.

Zumbilândia consegue explorar esse cenário de um mundo destruído por zumbis de uma maneira genial. Você vai aproveitar cada cena, cada diálogo. Tem até uma sequência nonsense envolvendo um ator famoso de Hollywood. É muito chá de cogumelo pra uma pessoa só.

Não há economia de sangue, mas também sobra espaço para momentos extremamentes divertidos, engraçados e até um tanto sentimentais, como uma regra que diz para se aproveitar as pequenas coisas. É díficil assistir e não gostar. Eu já quero ver denovo. Na verdade, não queria abandonar essa Terra de Zumbis.

Melhor que Shaun of the Dead? Jogo duro. O tempo vai dizer.

Nota: 4.5/5